terça-feira, 4 de junho de 2013

Caíto também critica atual direção do PMDB

Caíto Quintana defende “choque” no PMDB, mas pelos “caminhos legais”

Deputado Caíto Quintana diz que nenhum membro
da comissão interventora apoiou o PMDB nas eleições
de 2010 (Foto: Nani Góis)
O deputado Caíto Quintana não concorda com a decisão da executiva estadual do PMDB que decretou, na noite de segunda-feira (3), a intervenção em 75 diretórios do partido. Segundo ele, o PMDB precisa sim de um “choque”, mas “pelos caminhos legais”.

“Logo vamos ter convenções municipais (em julho). Vamos deixar esta decisão para os filiados”, disse o deputado, que analisou que o fato de o partido não ter alcançado 10% dos votos em determinados municípios nas eleições do ano passado nem sempre foi “culpa da direção do partido”.

Ele exemplifica dizendo que o PMDB fez, em muitos municípios, alianças com outros partidos, indicando o candidato à vice. “Se a chapa não foi vencedora, o partido ficou sem representação e isso não é culpa do diretório”, defendeu.

Sobre Curitiba, onde o partido estava nas mãos do senador Roberto Requião, Caíto destacou que o candidato a prefeito (Rafael Greca) fez mais de 10% dos votos, alcançando, portanto, a meta estabelecida pelo diretório estadual.

O que chama a atenção do deputado é que nenhum dos integrantes da comissão – que ele chamou de “biônica” – designada na noite de ontem para dirigir o partido apoiou a candidatura do PMDB.
Postar um comentário