terça-feira, 24 de maio de 2016

Eu sou petista!

Eu sou a favor do Estado mínimo. Contra a corrupção, a ineficiência e a inacreditável burocracia do poder público. Mas, para alguns, eu sou petista.

Eu sou a favor da prisão de Dirceus, Delúbios, Delcídios e quantas mais aliterações. E quantos mais atuais e ex que foram ou forem pegos com a mão na botija. Mas, eu sou "petista".

Eu sou contra as cotas raciais - das quais poderia me beneficiar - nas universidades e nos concursos públicos. Mas, eu sou "petista".

Eu sou a favor do porte de armas para cidadãos de bem. Mas, eu sou "petista".

Eu nunca fui comunista. Nunca defendi o socialismo como ideologia. Aplico na Bolsa. Tenho pavor da tutela do Estado sobre o cidadão. Mas, eu sou "petista".

Você nunca viu uma crítica minha sequer ao ex-ministro Joaquim Barbosa durante o processo do Mensalão do PT. Mas, eu sou "petista".

Durante todo o processo da Lava Jato eu fiz uma única crítica - quase em uníssono com os maiores juristas do país e o próprio STF - ao juiz Sérgio Moro: o vazamento de um grampo ilegal da então presidente da República, hoje afastada do cargo. No mais, apoio total. Mas, eu sou "petista".

Defendo uma ampla revisão do pacto federativo e da concentração de recursos nos cofres da União. Mas, eu sou "petista".

Acredito que o Bolsa Família - inspirado no Cartão Cidadão criado no primeiro, eficiente e moderno governo Marconi Perillo (PSDB/GO), em quem votei enquanto morava em Goiânia - falha ao não ter prazo de validade nem ser diretamente vinculado a programas de emprego. Mas, eu sou "petista".

Sou contra o foro privilegiado para políticos, com raras exceções inerentes a determinados cargos. Mas, eu sou "petista".

Sou contra as indicações políticas para os frágeis Tribunais de Contas. Mas, eu sou "petista".

Sei que o PT não só aprimorou como ampliou exponencialmente a corrupção praticada desde sempre nesse país. Mas, eu sou "petista".

O projeto que eu defendia para o país foi DERROTADO nas urnas em outubro de 2014. Mas, eu sou "petista".

Eu defendo a independência do Banco Central. Mas, eu sou "petista".

Eu defendo a redução de encargos trabalhistas para o setor produtivo, ainda que com revisão de direitos. Mas, eu sou "petista".

Eu sou contra o golpe de Estado a que estamos sendo submetidos porque revela tristes aspectos de nossa frágil e risível democracia e porque sei - sabemos, eu, Machado e Jucá - quais seus reais motivos e objetivos.

"Ahá! Eu não disse que você era petista?"
Postar um comentário