terça-feira, 19 de julho de 2016

Lata de sardinha com ar de cidades brasileiras vira souvenir


Se estocar vento era um desejo da presidente Dilma Rousseff, um empresário paranaense provou - e está ganhando um bom dinheiro com isso - que armazenar ar não só é possível (lógico) como pode se transformar num negócio bem lucrativo. A ideia chegou ao Brasil com o empresário Alessandro Catenaci, que há mais de 22 anos encontrou uma lata com “Ar de Paris” durante uma viagem à França. Impulsionado pela Copa do Mundo no país, em 2013, o empresário retrabalhou a ideia e hoje comercializa a "atmosfera" de algumas cidades brasileiras em latas de sardinha estilizadas.

“Cada latinha é totalmente personalizada com os principais pontos turísticos da cidade. A do Rio de Janeiro, por exemplo, que está super em alta por conta das Olimpíadas, tem os ícones do Cristo Redentor, Arcos da Lapa, Pão de Açúcar e a Marques de Sapucaí”, comenta o empresário. “Sabe aquela história de depressão pós viagem? Sabemos que ela é verdadeira! Então, nossa ideia foi criar um souvenir para que as pessoas possam comprar e levar para casa como se aquilo fosse uma 'parte' da sua viagem, tendo uma excelente lembrança da cidade por onde passaram”, explica Alessandro.


Além do ar do Rio de Janeiro e do “Brasil” (pouco respirável no momento), que é uma opção genérica para turistas estrangeiros, a marca também conta com ar enlatado das cidades de São Paulo, Salvador, Foz do Iguaçu e Curitiba. 

Segundo Alessandro, a marca está ampliando seu mix de produtos e passa a oferecer neste mês de julho o ar enlatado de Brasília, Balneário Camboriú, Florianópolis, Gramado, Natal, Fortaleza e Minas Gerais.

Cada latinha custa em média R$ 10 e pode ser comprada pelo site www.latadear.com.br, pontos de venda espalhados por todo o país e também nos aeroportos do Galeão (RJ) e Guarulhos (SP). São 12 mil unidades vendidas todos os meses. E, agora, com ares internacionais. A lata de ar também chegou a Nova Iorque.

Com informações da assessoria
Postar um comentário