quinta-feira, 3 de março de 2016

Relato inédito sobre Legião Urbana recebe edição pouco profissional

Legião Urbana nunca sai de moda. Minha banda nacional preferida. Coincidentemente, justo agora que o grupo, com Dado Villa-Lobos, Marcelo Bonfá e convidados vai se apresentar em Curitiba, acabo de ler uma das várias obras que retratam a banda.

Kadu Lambach (Eduardo Paraná – o primeiro guitarrista da Legião Urbana) é uma biografia com muitas características positivas, mas que esbarra em alguns problemas que comprometem o produto final. Apesar de ser bem escrita, de maneira objetiva e sem rodeios, a produção da obra não foi cuidadosa na sua edição. A impressão que o leitor tem é que não houve uma revisão.  São perceptíveis alguns erros de português e de diagramação.  Parece que existiu certa pressa em produzir esta obra. Pouco cuidado foi dedicado na formatação de uma das primeiras publicações da fase inicial da banda de Renato Russo. Como era comum nos anos 80, o culto dos fãs aos discos piratas com gravações inéditas, foi como se tivesse lendo um livro pirata, sem tratamento profissional, mas com informações históricas e valiosas.
A capa também poderia ser mais atrativa e melhor pensada. A foto desfocada não convence. Além de tudo, o nome “Legião Urbana”, que possui muita força, não foi valorizado como devia. Pode ser pelos aspectos legais. 


Porém, o produto é recomendável aos fãs mais fanáticos da Legião Urbana. Existem histórias do início da banda em Brasília bem expostas por Eduardo Paraná e escritas pelo jornalista André Molina, que demonstram boa memória do guitarrista, que esperava o momento de desabafo. É uma pena que o livro deverá chegar só nestes fãs.
Postar um comentário