sexta-feira, 12 de maio de 2017

Após protesto de alunos por denúncia de estupro, Universidade começa a melhorar iluminação

A Universidade Positivo começou a tomar as primeiras medidas para melhorar a segurança no campus Ecoville, no Campo Comprido, em Curitiba. Lâmpadas começaram a ser trocadas para melhorar a iluminação no local. A medida foi tomada após a manifestação de estudantes na última terça-feira, 9, motivada, segundo alunos, pelo “descaso” da instituição ao tratar do assunto.

Protesto pede mais segurança na Universidade
“A Universidade demorou para se posicionar ou no mínimo fazer uma nota da situação interna. Um mês depois se posicionou, pois a notícia viralizou entre os alunos”, conta um professor, que pediu para não ser identificado. Segundo boletim de ocorrência realizado no dia 3 de maio pela vítima, uma estudante e 19 anos, o crime ocorreu no dia 18 de abril.

Em fotos e vídeos enviados ao Terceiro Caderno, é possível acompanhar parte do protesto, que ocorreu perto da entrada principal do campus e do local onde ocorreu o abuso. “A universidade apenas está respondendo de forma automática àqueles que questionam sobre o caso”, reclama o professor.


Na visão dele, há ainda uma aparente tentativa de desacreditar a vítima, especialmente entre alguns funcionários. “Alguns colaboradores desconfiam no sentido de serem incautos mesmo, outros pela ideia de vestir a camisa da empresa e estar com ela até que se prove ao contrário. Há, por alguns, descaso também”, avalia.



Correm boatos ainda de que a vítima poderia ter inventado a história por estar enfrentando problemas pessoais. “Mas, entre os alunos, o apoio é praticamente unânime”, afirma o professor. “Eu penso que seja difícil não ter acontecido. As informações entre os alunos é que a vítima está bem traumatizada”, conclui.

O crime está sendo investigado pela polícia civil, que divulgou o retrato falado dos suspeitos.
Retrato falado dos suspeitos divulgado pela polícia
A assessoria de imprensa da Universidade Positivo foi questionada sobre o posicionamento da instituição, mas ainda não retornou o pedido.
Postar um comentário