segunda-feira, 5 de março de 2007

Demissões

Notas, impressões, versões e alguma verdade
O mercado jornalístico goiano tem longos períodos de estagnação e, raramente, momentos de certa movimentação. Geralmente, esses momentos de movimentação traduzem-se, claro, em demissões. Foi o que ocorreu no último mês, em especial na semana passada. A Record Goiás, motivada pelo projeto de padronização jornalística iniciada em sete capitais - Goiás estreou hoje sua nova programação -, enviou a Goiânia o jornalista Roberto Quirino, responsável pela árdua tarefa.
A primeira vítima da reestruturação foi a repórter Lourdes Coelho, demitida no início de fevereiro. Em seguida, saiu Paulo Beringhs, que não aceitou deixar seu programa semanal na TV Goiânia para se dedicar exclusivamente à Record. (Na verdade, Beringhs é um caso à parte. O apresentador se recusava a respeitar hierarquias e não aceitava nem mesmo ler o tele-prompter. Digamos que seu pedido de demissão tenha sido provocado). Na sexta-feira foram demitidos os repórteres Ricardo Castro e Flávia Vinhal. Todos por não se adequarem ao novo padrão visual exigido pela emissora. Conforme informações que consegui apurar, a seqüência de demissões será completada no mês que vem, com a dispensa de mais uma repórter.
CBN - Seguindo o mesmo caminho, mas por motivo diverso, a CBN Goiânia demitiu hoje duas de suas mais antigas radialistas: a apresentadora de seu programa matinal, Luiza Ribeiro, e a produtora Lívia Martins. Lívia, competente como poucas, havia acertado na sexta-feira integrar a nova equipe de esportes da emissora, comandada pelo experiente Joel Fraga. Hoje, ao chegar ao trabalho, recebeu a notícia da demissão. A direção da CBN ainda propôs que a radialista continuasse na equipe de esportes, que é terceirizada. Mas Lívia não aceitou.
Diferentemente da Record, que apesar das demissões contratou muita gente, a CBN está mais uma vez reduzindo seu quadro por dificuldades financeiras.
Postar um comentário