segunda-feira, 8 de outubro de 2007

Não veja "Tropa de Elite"

Anos atrás, ainda na faculdade, comprei o livro "Rota 66: A História da Polícia que Mata", de Caco Barcellos. Foi durante uma palestra do próprio autor para estudantes de jornalismo na UEL, em Londrina. Nunca li o livro. Histórias de torturas e outros abusos policiais me provocam um incômodo daqueles que prefiro evitar. Talvez pelo fato de meu pai ter sido policial – a maior parte da vida, policial rodoviário -, apesar de me negar a acreditar que ele pudesse ter algum dia na vida praticado um ato de abuso. Talvez pelo simples sentimento de indignação a que todos estamos sujeitos em casos de agressões a vítimas indefesas, mesmo que essas vítimas sejam bandidos. O problema é que em grande parte dos casos, trata-se de pessoas inocentes.

Pelo mesmo motivo que não li o livro, ainda não decidi se vou assistir a "Tropa de Elite", de José Padilha. O filme, que teve seu lançamento antecipado no Rio e em São Paulo devido à pirataria, já foi visto por 180 mil pessoas só nos cinemas. Acredita-se, porém, que 20% dos paulistanos já tenham assistido à obra em DVDs piratas. Ficaria decepcionado por perder um bom filme – e, ao contrário do que dizem alguns imbecis, há, sim, excelentes filmes nacionais -, aplaudido por crítica e público e que vem gerando polêmica Brasil afora. Mas ainda não sei se duas horas de confronto com a realidade da polícia brasileira, ainda que, teoricamente, num momento de distração, compensariam dias de gastrite nervosa.
Postar um comentário