quinta-feira, 14 de novembro de 2013

Sobre homens, ratos e Coca-Cola



A história de Wilson Batista de Rezende é antiga, como ele mesmo relembra: foi em 7 de dezembro de 2000 que ele alega ter tomado meio gole de Coca-Cola antes de perceber que outra garrafa do lote veio com pedaços de rato em seu interior. A partir daí, Wilson alega ter começado a adoecer até chegar à triste situação em que se encontra hoje, como muita dificuldade para andar e outros problemas de saúde.

Semanas atrás a história, por algum motivo, voltou à mídia e foi imediatamente impulsionada pelas redes sociais, chegando a se transformar em um meme. Pois bem: hoje foi divulgada a notícia de que a Justiça entendeu como improcedente a ação que o consumidor move contra a Coca. Segundo dois laudos periciais, seria impossível objetos sólidos serem inseridos em uma garrafa durante o processo de envase. Diz ainda um dos laudos que há indícios de violação da tampa da garrafa em questão.

Pois bem: sempre duvidei dessa história. Primeiro, porque nunca Wilson esclareceu o que os médicos disseram durante seus vários tratamentos. Com quais substâncias esse rato estaria contaminado para provocar os graves problemas de saúde que ele tem. Em sua argumentação, relembra que sentiu uma espécie de queimadura  ao ingerir a bebida. Um dos laudos que alega ter, fala sobre PH, acidez, enfim, nada relacionado a ratos ou sequelas como as que ele apresenta. No mínimo, estranho.

Em seu site - não sei se desde à época ou recentemente publicado - Wilson pede apoio contra a empresa e também doações, com as quais alega sobreviver por não poder mais trabalhar. Ele consegue, porém, dar palestras cidades afora sobre segurança alimentar.

O perfil que ele mantém no Facebook tem milhares de seguidores. Todos críticos ferrenhos da Coca. Como um vegano poderia ter sua saúde tão abalada assim não fosse o tinhoso refrigerante? Já está lá também uma carta aberta contra a Coca-Cola, o jornalista que divulgou a decisão judicial e a própria Justiça. Há até abaixo-assinado contra a Coca.

Algumas considerações sobre o caso:

O fato de uma pessoa ser vegana ou vegetariana a torna melhor do que as outras? Se sim, estou a caminho. Mas ainda cometo minhas safadezas nas churrascarias.

Refrigerante faz bem à saúde? Não. Mata? A menos que um contêiner carregado com latas de Coca caia sobre sua cabeça, creio que não.

Wilson ficou, de uma hora para outra, realmente doente? Aparentemente, sim. Mas parece também ter perdido uma boa chance de saber o que realmente aconteceu com ele, se é que realmente não sabe.

Chamar a Coca de imperialista, desacreditar os laudos da Justiça e criticar o jornalista que publicou hoje a notícia não vai mudar em nada sua triste história.
Postar um comentário