quinta-feira, 18 de fevereiro de 2016

A pequena Isa precisa de um coração para viver


Nunca conseguiria trabalhar na área de saúde. Especialmente em pediatria. Agora, recém-pai, menos ainda. Imagino a dor da família da pequena Isabella, de apenas cinco meses, internada há 90 dias na UTI do Hospital Pequeno Príncipe, em Curitiba. Se uma simples cólica do nosso pequeno Théo já nos deixa aflitos, acompanhar um bebê com uma cardiopatia grave, como a da Isabella, deve provocar um enorme sofrimento.

Mas há esperança também. Isa precisa de um coração novo para continuar vivendo e a família mobilizou as redes sociais numa campanha de conscientização da importância da doação de órgãos. A corrida, nesse e em outros casos, é contra o tempo. O bebê precisa de um órgão de uma criança de cerca de cinco quilos, da mesma faixa etária, que tenha tido morte encefálica.

Isabella: em busca de um coração (F: Arquivo pessoal)
De acordo com reportagem do G1, a Secretaria Estadual de Saúde informou ter registrado 795 mortes encefálicas no Paraná no ano passado. Em apenas 300 casos houve doação de órgãos. Mais do que em anos anteriores, mas ainda pouco.


No perfil da mãe de Isabella, a farmacêutica Paula Heidy, no Facebook, uma postagem de um amigo faz as contas: "se em uma doação existe a possibilidade de 7 pessoas (ou ate 10) serem salvas, se as 700 famílias tivessem feito a doação, teríamos quase 5 mil famílias sorrindo, 5 mil pessoas recomeçando, 5 mil eh mta gente!".

Perder um filho deve ser (sabemos que é, mas só quem passou por isso, sentiu) a maior de todas as dores. Mas fazer com que uma vida que se foi salve tantas outras também deve ser, ao menos, reconfortante.

Avise sua família se você for doador de órgãos.

E ajude a pequena Isa a encontrar o seu.
Postar um comentário