Mostrando postagens com marcador dilma roussef. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador dilma roussef. Mostrar todas as postagens

segunda-feira, 9 de março de 2020

Vivemos uma "escalada autoritária neofascista", diz Dilma

"Lutemos como sempre lutaram as mulheres", diz Dilma (F: Matheus Alves)

O I Encontro Nacional das Mulheres Sem Terra recebeu, na noite de sábado (7), um Ato Político e Cultural com a presença de mais de 40 organizações, partidos e movimentos sociais nacionais e internacionais. Na plateia do Centro de Exposições do Parque da Cidade, em Brasília, mais de 3.500 mulheres vindas de assentamentos e acampamentos do MST, de 24 estados brasileiros. No palco, a ex-presidenta da república Dilma Rousseff, a presidenta do PT Gleisi Hoffmann, a jurista Deborah Duprat, a integrante do Conselho Nacional de Igrejas Cristãs do Brasil (CONIC) Romi Bencke, e mais uma dezena de convidadas.

Dilma Rousseff classificou o atual momento da história do Brasil com muito difícil, com uma “escalada autoritária neofascista”. A ex-presidenta também frisou a preocupação com aspecto neoliberal do atual governo, que retira direitos, ataca as nossa grandes empresas públicas e soberania nacional, criminaliza os movimentos sociais, entrega a Amazônia e avança na exploração de seus recursos minerais.

“Nós temos que ter clareza que o neoliberalismo e o neofascismo são irmãos siameses. Esse é o caráter mais perverso desse autoritarismo que afeta a todos nós”, garantiu. Dilma enfatizou a necessidade de unidade para o enfrentamento desta conjuntura. “Se não nos unirmos e não nos fortalecemos, nós não conseguiremos conter o avanço do fascismo”, afirmou.

Para Dilma, o caráter fascista do governo Bolsonaro coloca o Brasil sem posição de subordinação os interesses de Donald Trump. “Nós não podemos deixar que o nosso país tenha esse destino de ser submisso ao imperialismo, somos muito grandes para sermos um quintal de alguém. Somos muitos grande e com povo muito forte para sermos submissos”.

A luta das ruas é o caminho necessário para a resistência, defendeu. “Nós sempre temos que começar tudo de novo, não há nenhum desespero em começar tudo de novo […] Vamos perceber que só temos uma saída é juntos combatermos o monstro do neofascismo e neoliberalismo. Nós somos mulheres, lutemos como sempre lutaram as mulheres, com muita força”, finalizou a ex-presidente.

Maria de Jesus, integrante da direção nacional do MST, levantou aplausos do público ao reafirmar a posição de resistência das mulheres Sem Terra: “Uma das primeiras coisas que aprendemos no movimento é não baixar a cabeça, nem para o machismo, nem para o patriarcado, nem para o capital. Nós, mulheres, vamos resistir em todos os territórios na defesa e construção da unidade da classe trabalhadora, do campo e da cidade”. Para a dirigente, a unidade é a saída para todos os retrocessos pelo qual o país passa.

A pastora luterana Romi Bencke, secretária geral do Conselho Nacional de Igrejas Cristãs do Brasil (CONIC), avalia que o Encontro Nacional das Mulheres Sem Terra vai além das mulheres do campo. É um encontro que reúne toda a caminhada das mulheres que lutam e lutaram por direitos. “Esse é o encontro da insurreição das mulheres em um contexto em que o Brasil assume, sem vergonha na cara, todo o seu ódio às mulheres, e que nós temos um presidente da República que não tem nenhuma vergonha de assumir a sua misoginia. Esse encontro diz que nós mulheres não aceitamos o patriarcado fundamentalista que rouba a fé cristã para justificar a opressão e a exclusão das mulheres”.

A religiosa convocou as mulheres a se mobilizarem neste Dia Internacional das Mulheres. “Nós não vamos deixar roubar nossos direitos, não vamos deixar roubar nossos territórios. Mulheres em marcha no 8 de março, somos uma nas outras e seguiremos assim, e as insurreições virão cada vez mais forte”.

segunda-feira, 1 de abril de 2019

Elias Vaz cobra convocação do atual presidente do BNDES em CPI

Levy: de Dilma a Bolsonaro (F: Edilson Rodrigues/Senado)
O deputado federal Elias Vaz (PSB-GO) espera discutir nesta terça-feira (02), em mais uma reunião da CPI do BNDES, marcada para 14h30, requerimento já protocolado solicitando a convocação do atual presidente do Banco, Joaquim Levy. Apesar de ter sido ministro da Fazenda no governo Dilma Roussef, ele não está na lista de convocados apresentada na última semana, que inclui 22 pessoas. “A investigação não pode se restringir a um partido. O fato de Levy ter sido aproveitado pelo atual governo não significa que não tenha que prestar esclarecimentos”, afirma o deputado.
Levy ocupou a pasta da Fazenda entre 1º de janeiro e 18 de dezembro de 2015 e, nesse período, formulou e executou políticas econômicas que tinham total correlação com as atividades do BNDES. “Vários investimentos realizados em empresas brasileiras que se internacionalizaram foram feitos sob a gestão do ministro, o que o coloca como testemunha privilegiada das operações. Além disso, segundo o próprio estatuto do BNDES, cabe ao ministro indicar membros nos Conselhos Fiscal e Administrativo da instituição. Isso demonstra mais uma vez a interferência do ministro da Fazenda no BNDES”, ressalta Elias Vaz.
O deputado acrescenta que a Comissão deve ter caráter apartidário sob pena de cair no descrédito. “Corrupção não tem esquerda nem direita. Os envolvidos, independente de partido, devem ser exemplarmente punidos. Há fortes indícios de que o BNDES serviu para operações ilegais e precisamos levar essa investigação a fundo”.

domingo, 24 de junho de 2018

Deputado que votou "sim" no impeachment em homenagem à "família" dá calote em travestis

O deputado federal do Partido Progressista do Rio Grande do Sul José Otávio Germano se envolveu em uma confusão por suposto calote a duas travestis na última sexta-feira, 22. Ele foi acusado pelas transsexuais de não pagar uma dívida após realizar um programa. As duas fizeram um protesto em frente ao prédio onde mora o parlamentar em Porto Alegre. A confusão foi gravada em vídeo por vizinhos, que chamaram a polícia.

No vídeo, é possível ouvir as travestis contando a preferência de Germano - melhor você mesmo ouvir. "Fazer programa ele adora", diz uma delas. "Agora, pagar nosso dinheiro ele não quer?" As trans afirmam ainda ter cópia das mensagens trocadas com o deputado convidando para o programa.


Soldados da Brigada Militar negociaram com as travestis, repassaram dinheiro a elas a pedido de Germano e a confusão foi encerrada mediante promessa de pagamento do restante posteriormente. A PM gaúcha está investigando a participação dos policiais no caso, por achar "estranha" a atitude deles na negociação.


Germano é da ala conservadora da Câmara. De discurso moralista, ao votar pela derrubada de Dilma Roussef da Presidência da República em 2016, disse que o fazia em "homenagem à família". Germano ainda é réu em duas ações da Lava Jato.