Mostrando postagens com marcador gazeta do povo. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador gazeta do povo. Mostrar todas as postagens

sexta-feira, 20 de novembro de 2020

Na Gazeta do Povo, Rodrigo Constantino justifica espancamento - e morte - de homem negro no Carrefour

A Gazeta relativizando crime de ódio
Parece inacreditável, mas Rodrigo Constantino, após defender estupradores que atacam mulheres bêbadas, usando sua própria filha como exemplo, agora defende o espancamento de João Alberto Silveira Freitas por dois seguranças do Carrefour de Porto Alegre, que resultou na morte do cliente. Vale ressaltar que o próprio supermercado emitiu nota condenando duramente a ação dos seguranças terceirizados, rompendo o contrato com a empresa, demitindo o próprio funcionário responsável pela loja no momento do crime e fechando a unidade ao público nesta sexta-feira.

Em trecho publicado pelo Sleeping Giants da coluna de Constantino na Gazeta do Povo - único veículo que manteve o colunista após a relativização do estupro -, ele escreveu: "O homem, um sujeito enorme, teria ficha corrida na polícia e teria agredido uma funcionária do Carrefour. Por isso ele foi espancado, não pela cor da pele". Os grifos são meus. Revelam que, mesmo sem ter certeza do que estava falando, Constantino, assim como a trupe de lunáticos bolsonaristas que infernizam o país, se apressou em dizer que não foi caso de racismo. Isso, em pleno Dia da Consciência Negra.

Não sei o restante do conteúdo pois, obviamente, não sou assinante do site.

Desse jeito, não vai adiantar a Gazeta do Povo reclamar da perda de anunciantes, não é mesmo?

sexta-feira, 13 de novembro de 2020

Anunciantes ignoram vitimização da Gazeta do Povo e mantêm exclusão de anúncios

Veículo que reclama de perseguição demitiu colunista líder de audiência por ser considerado de esquerda, após pressão de leitores extremistas

Apesar da matéria apócrifa publicada pela Gazeta do Povo acusando os que pedem a interrupção da publicação da coluna de Rodrigo Constantino no site paranaense de “milicianos digitais”, os anunciantes não se convenceram. Dia a dia um novo patrocinador atende aos apelos, capitaneados pelo Sleeping Giantes Brasil, e decidem não associar sua marca a conteúdos que disseminam o ódio e fake news. A própria Gazeta diz que pelo menos 13 patrocinadores deixaram de exibir suas propagandas no site.

Ao contrário do que tenta fazer parecer o site, ninguém está desejando o fechamento da Gazeta. O pedido é para que eles sigam o exemplo de outros quatro veículos que dispensaram Constantino após ele culpabilizar algumas vítimas por seu próprio estupro, ao comentar a repercussão do caso Mariana Ferrer.

Para a Gazeta, as explicações do Constantino, que também disse que não denunciaria estupradores caso a situação da mulher – como estar bêbada ou participando de festas com homens – induzisse ao crime e que chamou feministas de “vadias” são suficientes para “esclarecer o mal entendido”.

Interessante relembrar que, ao demitir um de seus principais colunistas, no ano passado, a pedido de leitores de direita extremistas, Rogério Galindo, por ser considerado uma voz de esquerda dentro da publicação, a Gazeta não se referiu a essa pressão como perseguição à liberdade de expressão ou mesmo resultado de uma milícia digital, o que revela o caráter dual com que o site analisa as manifestações que recebe.

O fato é que os patrocinadores não se deixaram levar pela vitimização da diretoria da Gazeta. A empresa de cosméticos sustentáveis The Body Shop, por exemplo, respondeu assim ao aviso do Sleeping Giants: “(…) o anúncio no site Gazeta do Povo foi bloqueado no momento em que vocês nos notificaram. (…) Apoiamos o movimento e bloqueamos sempre que encontramos sites que propagam fake news e discursos de ódio”.

A marca de camisetas Reserva também se posicionou: “Estamos passando para avisar que nos reunimos com o time e fizemos uma varredura para saber se tínhamos algum anúncio no jornal Gazeta do Povo ou em qualquer meio de comunicação que apoiasse, mesmo que indiretamente, a Cultura do Estupro e retiramos imediatamente. (…) Vocês poderiam divulgar o nosso posicionamento? Queremos que todos saibam que o nosso posicionamento está alinhado com nossa missão de cuidar das pessoas!”.

A gigante Alegra Foods seguiu no mesmo caminho: “Repudiamos qualquer discurso de ódio. Já estamos suspendendo os anúncios no site apontado. Muito obrigada por nos alertar.”

Ao insistir em ir contra o bom senso e a favor da disseminação de informações falsas e opiniões que colocam em risco a saúde de milhões de pessoas, como as críticas ao distanciamento social, ao uso de máscaras e à minimização da pandemia de Covid-19, explicitamente defendidas por Constantino, a Gazeta decidiu se aliar a seus sectários leitores. Resta saber se conseguirão sobreviver e, um dia, recuperar a credibilidade.


Em tempo

Deixo explícita, aqui, minha solidariedade aos 120 funcionários da Gazeta, alguns ex-colegas de trabalho, que, arriscando seus empregos, assinaram uma carta de repúdio à permanência de Constantino no site.

quinta-feira, 12 de novembro de 2020

13 anunciantes deixam a Gazeta do Povo após o site decidir manter e defender Constantino

Veículo publicou ontem matéria anônima para criticar anonimato do grupo Sleeping Giants Brasil

Pelo menos 13 anunciantes deixaram de veicular seus anúncios na Gazeta do Povo após o site paranaense decidir manter e defender explicitamente o colunista Rodrigo Constantino, que disse, entre outras aberrações, em uma live, que, se sua filha fosse estuprada em uma festa com bebidas e homens, não só deixaria a filha de "castigo feio" como não denunciaria o agressor. A informação da decisão dos anunciantes é da própria Gazeta.

Em matéria não assinada, o site critica o coletivo Sleeping Giants Brasil, iniciativa que, seguindo exemplo norte-americano, surgiu para combater a disseminação de fake news e discurso de ódio, comuns a apoiadores do bolsonarismo. A Gazeta critica e utiliza entrevistas de especialistas para ameaçar o grupo, que chama de "milícia virtual". 

Página de Rodrigo Constantino na Gazeta exibe apenas anúncios do próprio site (Reprodução)

Após as declarações de Constantino, que incluíram trechos como "feministas são mocreias e vadias", e culpavam a vítima em casos de estupro, as rádios Jovem Pan e Guaíba, o jornal Correio do Povo, a Record News e o site R7 deixaram de veicular as atrocidades de Constantino.

A Gazeta, em carta aos leitores assinada pela dona do site, Ana Amélia Cunha Pereira Filizola, defendeu que o colunista foi mal compreendido e que tudo havia sido explicado - lembrem-se, ele disse que feministas são "vadias" -, por isso, a decisão de mantê-lo. Não é, ao que parece, o que pensam os anunciantes.

Apesar das ameaças, Gazeta, e da defesa incondicional de um governo errático e autoritário, nós vamos continuar.

sexta-feira, 27 de novembro de 2015

Gazeta do Povo muda formato e unifica edições do final de semana

Informação que já circulava nos bastidores jornalísticos de Curitiba agora foi confirmada pelo próprio jornal: a Gazeta do Povo vai unificar as edições do sábado e do domingo e mudar o formato de standard para berliner. As informações são do Comunique-se.

Menor que o standard e maior que o tabloide, o berliner era o formato utilizado nos últimos anos de existência do jornal O Estado do Paraná - e é também adotado por muitos jornais europeus. De acordo com Leonardo Mendes Júnior, novo diretor de Redação da Gazeta, pesquisas indicam que a mudança é aprovada por 90% dos leitores.

Já em relação à edição única no final de semana, a explicação é de que o jornal do domingo, que chega às bancas ainda no sábado à tarde, acaba prejudicando a edição de sábado, já que o leitor tem menos tempo para a leitura. Com a mudança, algumas publicações que eram encartadas em dias diferentes irão para o final de semana.

Mas a principal aposta da Gazeta para 2016 é nas mídias digitais, especialmente smartphones e tablets, que já representam metade dos leitores virtuais do jornal.

Leia a reportagem completa no Comunique-se.

quarta-feira, 11 de novembro de 2015

Em comentário na Gazeta, internauta sugere "matar a Dilma"

Na terra sem lei que se tornou a internet - e na esteira do que declarou Umberto Eco, de que "as redes sociais deram voz a milhões de imbecis" - um internauta sugeriu hoje "matar a Dilma". O comentário, identificado com um pseudônimo, foi publicado em uma reportagem sobre o esvaziamento da greve dos caminhoneiros na Gazeta do Povo, após medidas punitivas anunciadas pelo governo federal e pela Justiça do Paraná.

"O negócio é não fazer greve e todo mundo tentar matar a Dilma! Chega! Ao invés de ficar fazendo greve, reclamando! Vamos matar a Dilma", diz o comentário.

Confira a reportagem clicando aqui.

Atualização - 14h18:

Os comentários foram apagados e o autor, que usava um pseudônimo, teve o acesso bloqueado ao serviço.