Mostrando postagens com marcador jornalismo. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador jornalismo. Mostrar todas as postagens

quarta-feira, 15 de julho de 2020

Médico goiano que se automedicou com invermectina está na UTI e família suplica por plasma

Joaquim: automedicação, invermectina e UTI (Repdodução)
O médico Joaquim Inácio Melo Jr, cirurgião do Hospital Geral de Goiânia, usuário e distribuidor do vermífugo Invermectina para o combate à Covid-19, está internado na UTI devido à doença. A revelação é da jornalista Fabiana Pulcinelli, do jornal O Popular. No último dia 06, o médico ganhou  oito minutos na TV SerraDourada/SBT para propagandear o tratamento, que não é reconhecido por nenhuma entidade médica no mundo.

No vídeo, Joaquim, que já estava com a doença, ironizava a situação, dizendo "tô de quarentena, já tem oito dias; desse jeito aqui, ó, na UTI", dando tapinhas no rosto. O apresentador pergunta: "O senhor chegou a ir para a UTI, doutor?". "Claro que não", respondeu o médico.

O cirurgião reclamou da "censura" a que um grupo de médicos defensores do tratamento teria sofrido com a limitação do número de usuários no Whats App. Na entrevista, Joaquim usou de fake news para justificar a indicação, conforme Fabiana: "Joaquim fala de exemplo da Etiópia (informação falsa), diz que é médico da linha de frente e que não tem tempo para "pesquisinha randomizada". E diz: "Previna-se, senão vocês vão pro tubo e não tem mais vaga na UTI, não".

A quarentena do médico terminaria no último dia 12, mas, não só não ocorreu, como ele está em estado grave. Segundo Fabiana, a família, agora, pede doação de plasma para auxiliar o tratamento. A jornalista lembra ainda que "O cirurgião Joaquim Inácio Melo Júnior é um dos líderes de uma campanha de médicos goianos para distribuição de medicamentos para 'prevenção' da Covid-19. Doaram 1,8 mil kits numa paróquia em Aparecida de Goiânia no dia 5/7."

Ao encerrar a entrevista, Joaquim alerta: "Eu sou paciente de mim mesmo. Eu não procurei infecto nenhum pra tratar de mim, não. Eu tratei a mim como tratei a todos os meus pacientes, mais de cem. (...) E nós vamos estar, o nosso grupo, distribuindo de graça esse medicamento. Não vamos cruzar os braços".

Resta agora desejar sorte ao dr. Joaquim e, especialmente, aos mais de cem pacientes tratados por ele. E reflexão aos veículos de comunicação sobre dar espaço a teorias sem nenhuma comprovação por qualquer entidade médica do mundo.

quinta-feira, 9 de julho de 2020

Bolsonaro promove 245 ataques contra o jornalismo no primeiro semestre

A Federação Nacional dos Jornalistas (FENAJ) divulgou na semana passada dados atualizados sobre o monitoramento de ataques contra o jornalismo por parte do Presidente da República, Jair Bolsonaro, referentes ao primeiro semestre de 2020. Foram registradas 245 ocorrências de janeiro a junho de 2020, sendo 211 categorizadas como descredibilização da imprensa, 32 ataques pessoais a jornalistas e 2 ataques contra a FENAJ. São quase dez ataques ao trabalho jornalístico por semana, neste ano.

O monitoramento da FENAJ contempla declarações públicas do presidente em suas lives publicadas no YouTube, conta pessoal no Twitter, vídeos de entrevistas coletivas em frente ao Palácio do Alvorada e transcrições de discursos e entrevistas disponibilizadas no portal do Planalto.

Para além dos números, os dados mostram que as notícias sobre as ações do governo ou a postura do presidente sobre diversos assuntos transformam a imprensa em sua “inimiga”, com a construção de uma narrativa de ataques com o objetivo de promover a descredibilização do trabalho jornalístico e da credibilidade da produção de notícias. Algumas vezes o presidente coloca a imprensa e os jornalistas como “inimigos do País”, por conta de coberturas que o desagradam.

Leia a reportagem completa aqui.

terça-feira, 7 de julho de 2020

Novas chamadas do #Provoca homenageiam embalagens clássicas da publicidade

Larry, o velho da Quaker, é um dos personagens (F: Divulgação)
A temporada 2020 do #Provoca, da TV Cultura, continua a se reinventar. Agora, o programa de entrevistas ganhou uma série de chamadas de divulgação inspiradas em embalagens clássicas da publicidade. Em vinhetas divertidas, que trazem em seu DNA a essência "impremeditável" do #Provoca, o apresentador Marcelo Tas estampa caixas de produtos famosos e, até mesmo, icônicos, como a dos Palitos Gina, e aparece caracterizado como o personagem Larry, conhecido popularmente no Brasil como o "velho da Quaker".

Para Marcelo Tas, "as chamadas de TV são tão importantes quanto o programa. Na TV Cultura, hoje, tenho a alegria de trabalhar com um dos caras mais criativos da TV, o Bacana [diretor de Arte da emissora]. Me diverti muito fazendo os personagens que parodiam as embalagens clássicas da publicidade".

Assista:

Recuse imitações

Segundo Henrique Bacana, a nova campanha dá continuidade às chamadas inusitadas do programa: "Um de nossos principais produtos da TV tem sido provocado de várias maneiras em nossas chamadas, seja com o turbante da Carmen Miranda ou as pernas do Garibaldo, por exemplo. Chegou a hora dele reverter a situação e mostrar seu valor. Afinal, ele é incomparável. Como diria Flávio Cavalcanti, 'Nossos comerciais, por favor!'"

O #Provoca, apresentado por Marcelo Tas, vai ao ar toda terça-feira, às 22h15 na TV, com transmissão simultânea pelo canal do programa no YouTube, site oficial da TV Cultura e redes sociais. A temporada 2020 do programa já recebeu nomes como Washington Olivetto, Jô Soares, Bárbara Paz, Antonio Prata e muitos outros.

quarta-feira, 1 de julho de 2020

Abertas as inscrições do Prêmio CNT de Jornalismo 2020

As inscrições para o Prêmio CNT de Jornalismo 2020 estão abertas. Podem ser inscritos trabalhos produzidos em 2019 que abordaram aspectos do transporte rodoviário, ferroviário, aquaviário ou aéreo - nos segmentos de passageiros ou cargas.

A entidade produz diversos estudos e análises sobre o setor que podem servir de fonte de pautas. Só neste ano, por exemplo, a CNT já divulgou inúmeras pesquisas e análises sobre o impacto da pandemia do novo coronavírus no transporte brasileiro .

Para consultar esses materiais, acesse aqui aqui .

Lembrando que as matérias devem se enquadrar em uma das seguintes categorias: Impresso, Internet, Televisão, Rádio, Fotografia, Meio Ambiente e Transporte.

Mais informações no site oficial do prêmio.

terça-feira, 30 de junho de 2020

TV Cultura e UOL anunciam parceria de conteúdo

TV Cultura e o UOL, a maior empresa de conteúdo e serviços digitais do país, anunciam uma parceria que propiciará mais informação, debate, entretenimento e conteúdo de qualidade a milhões de pessoas. A partir desta segunda-feira (29/06), conteúdos produzidos pela TV Cultura passam a ser disponibilizados para todo o público do UOL.

Frequentemente entre os quatro canais de maior audiência da TV aberta, a Cultura registra crescimento acelerado também no meio digital: o site oficial da emissora, que passou por grande reestruturação neste ano e disponibiliza o rico acervo da TV, além de transmissões ao vivo, registrou um crescimento de 237% em relação a 2019.

Como principal emissora pública do país, presente em todas as telas, a TV Cultura agora se une ao Grupo UOL. A nova parceria fortalecerá ainda mais essas duas importantes marcas, consagradas pela credibilidade, por seus conteúdos relevantes e por um jornalismo plural e isento, que prioriza o debate e a informação de interesse de todos”, declara José Roberto Maluf, presidente da Fundação Padre Anchieta, que mantém a TV Cultura.

Para o CEO do UOL, Paulo Samia, a parceria com a TV Cultura simboliza a missão maior do UOL: levar ao público conteúdo confiável, profissional e de alta qualidade. “É com grande orgulho que passamos a distribuir o conteúdo da TV Cultura para nossos mais de 110 milhões de visitantes”, afirma.

Desde fevereiro, o UOL já exibia ao vivo o Roda Viva, programa que tem alcançado números expressivos de acessos nas redes sociais e acumula mais de 1 milhão de inscritos no canal do YouTube. Agora, todo o site da TV Cultura passa a ficar integrado ao conteúdo do UOL.

quarta-feira, 27 de maio de 2020

"Bandido disfarçado de político, aberração moral", diz Congresso em Foco sobre Bolsonaro em editorial

Em duro editorial publicado na segunda-feira, o Congresso em Foco, site especializado na cobertura política nacional, chamou Jair Bolsonaro de "um bandido disfarçado de político". O documento comenta a decisão do Grupo Globo e da Folha de não enviarem mais jornalistas - constantemente agredidos verbalmente e com ameaças físicas por apoiadores de Bolsonaro - ao cercadinho da imprensa em frente ao Palácio do Planalto.

"Claro que um político medianamente preparado, uma vez na condição de líder eleito da nação, teria uma atitude de certa ponderação no trato com a imprensa. Evidente, também, que a regra não poderia ser aplicada a uma aberração moral, intelectual, política e administrativa como Jair Messias Bolsonaro. Aconteceu o contrário. Mais poderoso, Bolsonaro se sentiu no direito de desrespeitar ainda mais o trabalho jornalístico", diz o texto, ressaltando o incentivo do presidente às agressões.

O Congresso em Foco admite que a própria imprensa tem culpa pela ascensão de Bolsonaro, ao dar tanta publicidade às aberrações que ele produziu nos anos de Parlamento. E lembra que,  "ao menosprezar, mandar calar a boca, se recusar a responder perguntas, ameaçar e retaliar, Bolsonaro deixa de tratar dos muitos temas espinhosos de um governo que conquistou fama mundial pela prepotência e pela inépcia."

"Incrível foi assistir nas últimas semanas à reverberação do ódio presidencial em escala nacional. Recompensa financeira para quem agredir repórter da TV Globo em Brasília. Empresário de comunicação defendendo apedrejamento de jornalistas na Paraíba. Jornalistas ameaçados de morte em Belo Horizonte. Que pesadelo! Que vergonha! Que absurdo! E farsantes invocando Deus e a Bíblia para declarar apoio a isso!!!", ressalta, ainda, o editorial.

E convoca toda a sociedade brasileira a não se sentir encurralada por 25% de eleitores, talvez menos, que ainda apoiam o lunático que chegou ao posto mais alto do país:

"Temos de reagir. Todos. Jornalistas, veículos, anunciantes, entidades da sociedade civil, artistas, trabalhadores, empresários, o porteiro do prédio, você que nos lê agora e até aquela sua tia que votou em Bolsonaro mas está arrependida, porque é uma pessoa de bem e não aprova o banditismo que se apoderou da república. Um banditismo que demonstra sua desumanidade extrema ao desdenhar a pandemia de covid-19, ignorar todas as recomendações sanitárias ditadas pela ciência e lançar a população a um genocídio que vai superar em muito as 23.473 mortes neste momento registradas pelo Ministério da Saúde."

O editorial completo você pode ler aqui.

terça-feira, 16 de outubro de 2018

segunda-feira, 27 de agosto de 2018

Ministério da Saúde lança serviço de combate a Fake News pelo WhatsApp


Para combater as Fake News sobre saúde, o Ministério da Saúde abriu um novo canal de comunicação com a população. Qualquer cidadão brasileiro poderá adicionar gratuitamente no celular o WhatsApp do Ministério da Saúde — (61) 99289-4640. Ele servirá exclusivamente para verificar com os profissionais de saúde nas áreas técnicas da Pasta se um texto ou imagem que circula nas redes sociais é verdadeiro ou falso. Ou seja, é um canal exclusivo e oficial para desmascarar as notícias falsas e certificar as verdadeiras.

"As notícias falsas, ou Fake News como estão sendo mais conhecidas, são uma praga da modernidade. Vem sendo usadas de toda forma para manipular, enganar, iludir, prejudicar. No caso da saúde, é muito mais grave, porque a notícia falsa mata. Então, o novo canal do Ministério da Saúde chega para servir como uma nova e poderosa camada de segurança na informação sobre saúde pública, com a vantagem de ter sido criada especificamente para o WhatsApp, que é o principal veículo de transmissão das notícias falsas”, explica o diretor de Comunicação Social do Ministério da Saúde, Ugo Braga.

O projeto “Saúde Sem Fake News” é organizado pela equipe multimídia da Pasta. A partir dos recebimentos das mensagens, o conteúdo será apurado junto às áreas técnicas do órgão e devolvido ao cidadão com um carimbo que informa se é Fake News ou não. Dessa maneira, será possível compartilhar a informação de forma segura. As notícias analisadas pela equipe também estarão disponíveis no Portal Saúde no endereço saude.gov.br/fakenews e nos perfis do Ministério da Saúde nas redes sociais.

(*) Com informações de Gabriela Rocha, da Agência Saúde

quinta-feira, 16 de agosto de 2018

99 lança prêmio de jornalismo em parceria com ECA - USP

Prêmios serão de R$ 15, 10 e 5 mil (Foto: Divulgação)
Boas histórias, faro de repórter e apuração minuciosa baseada em fatos e dados. Todos esses ingredientes fazem do jornalismo uma das profissões mais desafiadoras da atualidade. Por isso, a 99 – empresa de mobilidade urbana que integra a gigante chinesa DiDi Chuxing – lança a primeira edição do “Prêmio 99 de Jornalismo”. A iniciativa é resultado da parceria com o COM+, grupo de pesquisa da Escola de Comunicação e Artes da USP.  As inscrições começam hoje, 15 de agosto, e terminam em 31 de setembro, no site http://www.premio99dejornalismo.com.br/.  

"Estamos interessados ​​em promover o bom jornalismo. O prêmio chega para fomentar e reconhecer reportagens de qualidade sobre tecnologia, mobilidade urbana e cidades inteligentes. Além disso, a iniciativa é uma forma da 99 fazer a sua parte na luta contra notícias falsas, o que se revela especialmente importante durante um ano eleitoral”, afirma Daniela Bertocchi, Diretora de Comunicação da 99.

Podem participar do “Prêmio 99 de Jornalismo” profissionais que tenham publicado reportagens em veículos nacionais - impresso, áudio/podcast, meios digitais, vídeos e reportagens visuais - no período de 14 de setembro de 2017 a 14 de setembro de 2018. Serão premiadas duas categorias: uso de tecnologias para melhorar e inovar a mobilidade urbana e a vida nas cidades e cidades para pessoas e suas histórias. Os vencedores serão classificados em 1°, 2° e 3° lugares nas duas categorias com prêmios de R$ 15, 10 e 5 mil, respectivamente.  

A comissão julgadora, liderada pela especialista e pesquisadora da USP Beth Saad, será composta por profissionais independentes de jornalismo, tecnologias digitais e mobilidade urbana de comprovada experiência e renome em suas atividades.

(*) Da assessoria

Grupo Abril pede recuperação judicial

Depois de dispensar cerca 800 funcionários e anunciar o fim da operação de 11 títulos, entre revistas e sites, o Grupo Abril entrou com pedido de recuperação judicial. Em comunicado, a companhia informa que a ação engloba todas as suas divisões, como a distribuidora e a parte de mídia.

O Grupo Abril garante que o pedido de recuperação judicial se faz necessário para que se tenha “proteção judicial” junto a bancos, fornecedores e demais parceiros. O interesse é, reforça a nota, garantir a própria “continuidade operacional”. Como ocorreu na última semana em meio à demissão em massa, a empresa de comunicação cita o momento do setor no país. A empresa afirma que as mudanças relacionadas à tecnologia afetaram a “circulação de revistas e na receita de publicidade”. Para eles, foi algo que ocorreu “no Brasil e no mundo”.

Leia a reportagem completa no Comunique-se

Abraji e GIJN lançam primeira comunidade global de jornalistas que falam português


A Abraji e a Global Investigative Journalism Network (GIJN) lançam nesta segunda-feira, 13.ago.2018, a GIJN em Português, a primeira comunidade do mundo de jornalistas que trabalham em língua portuguesa. A parceria inédita tem o objetivo de fomentar e difundir técnicas, tutoriais e o melhor da produção jornalística de países como Portugal, Brasil, Moçambique, Angola, Cabo Verde, Timor Leste, Guiné-Bissau e Guiné Equatorial, além de outras regiões em que o português é falado.
A GIJN é hoje o maior centro de apoio à prática de jornalismo investigativo no mundo. A rede oferece de graça recursos para que jornalistas de qualquer lugar do mundo possam desenvolver investigações e trabalhos baseados em dados com mais eficiência. Cada vez mais, a rede compartilha conhecimento sobre inovação e empreendedorismo no jornalismo. Fundada em 2003, tem 163 integrantes, todos organizações jornalísticas sem fins lucrativos voltadas para a produção ou o fomento do jornalismo investigativo, em mais de 70 países, em todos os continentes.
A Abraji é um desses membros, o único em toda a comunidade de países que têm o português como língua oficial.
Com a parceria, a missão da Abraji será impulsionar a difusão de boas práticas, exemplos e técnicas de jornalismo investigativo para toda a comunidade lusófona, por meio de duas contas, no Twitter (@gijnportugues) e no Facebook (www.facebook.com/GIJN-em-portugues), que serão abastecidas diariamente.
Nesses perfis, serão indicados grandes exemplos de reportagens investigativas produzidas por repórteres e editores dos países que falam português. Também estarão no radar dicas e iniciativas relacionadas a jornalismo de dados; eventos, bolsas e outras oportunidades profissionais em jornalismo investigativo; bastidores de apurações; técnicas de investigação e dicas de ferramentas úteis para jornalistas; e análises sobre o mercado de mídia que impactem o jornalismo investigativo, entre outros.
Conteúdos originalmente produzidos em outras línguas também serão recomendados nas redes sociais, mas acompanhados de informações em português, uma maneira de atender quem não domina o inglês ou outros idiomas.
O site da Abraji também trará o melhor do conteúdo da GIJN traduzido pela primeira vez para o português. Até agora, a GIJN gerava conteúdos em inglês, árabe, chinês, francês, russo e espanhol.
"A troca de informações e experiências entre profissionais e organizações de diferentes países é fundamental para criar e reforçar redes supranacionais de jornalismo investigativo", afirma o presidente da Abraji, Daniel Bramatti. "Outro aspecto importante da parceria é a ênfase na formação e no aprimoramento profissional, algo que a Abraji incentiva desde a sua criação, em 2002."
Para o diretor-executivo global da GIJN, o jornalista David Kaplan, a atenção ao mundo de língua portuguesa era um passo natural. “Era nosso próximo passo lógico”, avalia Kaplan. “Como a sexta língua mais falada do mundo, o português é um portão de entrada vital para que possamos alcançar e integrar a redes globais os nossos colegas no Brasil, na África, na Europa e em outros locais ao redor do mundo. Oligarcas e criminosos se tornaram internacionais faz tempo. É hora de os jornalistas correrem atrás e criarem redes que os ajudem a se conectar para além de fronteiras e a ter acesso a dicas e ferramentas mais atuais”. 
Segundo Kaplan, a presença de canais em português nas redes sociais da GIJN será “o primeiro passo na oferta de vários recursos em português sobre jornalismo investigativo para colegas de todo o mundo”.
O editor da GIJN Português é o jornalista Breno Costa. Breno trabalhou por seis anos como repórter investigativo na Folha de S.Paulo e é fundador e diretor do BRIO, que oferece mentorias individualizadas e outros serviços a jornalistas no Brasil. Experiente no acompanhamento e na curadoria desse universo do mercado de jornalismo e da mídia, ele concentrará esforços em levar informações relevantes e atuais para a rede da GIJN nos países de língua portuguesa. 
“Hoje, infelizmente, a maioria dos jornalistas brasileiros não têm acesso a referências importantes, práticas e teóricas sobre o jornalismo investigativo e o mercado no qual ele se insere globalmente. Nosso objetivo será o de ajudar a derrubar essas barreiras e fomentar uma cultura de mais atenção ao que se produz e ao como se produz em jornalismo investigativo”, afirma Breno. 
A GIJN em Português nasceu de uma conversa entre David Kaplan e Guilherme Amado, vice-presidente da Abraji, nos Estados Unidos, em março deste ano. Amado vem se propondo a criar maneiras de melhorar a colaboração de jornalistas brasileiros com colegas em todo o mundo.
“Compartilhamos, além da língua, uma série de outras características com os povos que também falam português. Existe um milhão de histórias esperando a colaboração entre colegas que falam português para serem contadas. Empresas que atuam em diversos desses mercados, rotas de imigração em plena atividade, semelhanças culturais e étnicas, episódios da nossa História que nunca foram explorados pelo jornalismo. Espero que a GIJN Português seja um vetor para aumentar essa colaboração”, defende Amado.
(*) Da assessoria

terça-feira, 3 de julho de 2018

Prêmio Jornalístico Vladimir Herzog de Anistia e Direitos Humanos abre inscrições para a sua 40ª edição

Jornalistas, artistas do traço e repórteres fotográficos de todo o Brasil têm até o dia 23 de julho para inscrever suas produções e concorrer ao 40º Prêmio Jornalístico Vladimir Herzog de Anistia e Direitos Humanos. Considerado entre as mais significativas distinções jornalísticas do país, o Prêmio Vladimir Herzog tem abrangência nacional e reconhece, ano a ano, trabalhos que valorizam a Democracia e os Direitos Humanos.

Para concorrer, os candidatos devem inscrever-se através do site www.premiovladimirherzog.org preenchendo a ficha cadastral e anexando sua obra publicada ou veiculada no período compreendido entre 1º de agosto de 2017 e 23 de julho de 2018, inclusive. Nesta edição, serão aceitas produções jornalísticas inscritas em SEIS categorias:

1) Arte - ilustrações, charges, cartuns, caricaturas e quadrinhos publicados em veículos impressos ou eletrônicos

2) Fotografia - Foto ou série fotográfica publicada em veículos impressos ou eletrônicos

3) Produção jornalística em texto - Reportagens em texto publicadas em veículos impressos ou eletrônicos

4) Produção jornalística em áudio - Reportagens ou documentários em áudio

5) Produção jornalística em vídeo - Reportagens ou documentários em vídeo

6) Produção jornalística em multimídia - Reportagens multimídia publicadas na internet

39º Prêmio Jornalístico Vladimir Herzog de Anistia e Direitos Humanos é promovido e organizado por uma comissão constituída pelas seguintes instituições: Federação Nacional dos Jornalistas – FENAJ; Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo; Comissão Justiça e Paz da Arquidiocese de São Paulo; Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo – ABRAJI; Centro de Informação das Nações Unidas no Brasil – UNIC Rio; Coletivo Periferia em Movimento; Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo – ECA/USP; Instituto Vladimir Herzog; Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil – OAB Nacional, Ordem dos Advogados do Brasil - Secção São Paulo; Conectas Direitos Humanos; Ouvidoria da Polícia do Estado de São Paulo e Sociedade Brasileira dos Estudos Interdisciplinares da Comunicação – Intercom.

SERVIÇO

40º Prêmio Jornalístico Vladimir Herzog de Anistia e Direitos Humanos
Regulamento e Inscriçõeswww.premiovladimirherzog.org
Período: 27 de junho a 23 de julho de 2018
Júri de 1ª etapa: 7 de agosto a 23 de setembro, via sistema
Júri de 2ª etapa e divulgação dos vencedores: 11 de outubro, quinta-feira, em sessão pública de julgamento na Câmara Municipal de São Paulo / Sala Oscar Pedroso Horta e transmissão ao vivo pela internet, das 10h às 14h, em http://www.camara.sp.gov.br/transparencia/auditorios-online/sala-oscar-pedroso-horta-sala-b/

Roda de Conversa com os Ganhadores: 25 de outubro, quinta-feira, das 14h às 18h

Solenidade de premiação: 25 de outubro, quinta-feira, 20h

Local: TUCARENA – Rua Monte Alegre, 1024, Perdizes, São Paulo

quinta-feira, 5 de abril de 2018

Instituto financia reportagens sobre o aborto


O Instituto Patrícia Galvão está com edital aberto para financiamento de reportagens sobre o aborto. Com o tema “Jornalismo Investigativo em Direitos Humanos, Aborto e Saúde Pública”, o edital selecionará cinco propostas de reportagens. As informações são do Comunique-se.

A proposta conta com o apoio da Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo e da Global Health Strategies Brasil. Os jornalistas selecionados receberão até R$ 10 mil e terão até quatro meses para finalizar o trabalho.

As reportagens deverão abordar um ou mais dos seguintes aspectos:

1) Impactos do aborto clandestino na vida das mulheres;
2) Perversidades na rota clandestina do aborto;
3) Obstáculos nos serviços de saúde para o acesso ao aborto garantido por lei;
4) O papel dos profissionais de saúde;
5) Aborto: uma pauta permanente no Congresso; e
6) Desafios para ampliação do aborto seguro no Brasil.

As propostas devem ser enviadas neste formulário para o e-mail concurso@patriciagalvao.org.br. O prazo das inscrições vai até o dia 2 de maio.

quarta-feira, 28 de março de 2018

DO BAÚ: Reportagem de 1998 mostra reinauguração da TBC

Reportagem que fiz em dezembro de 1998 mostra a reinauguração da TBC/Cultura, onde eu trabalhava, e das rádios Brasil Central AM e FM. Os estúdios haviam sido destruídos por um incêndio ocorrido em outubro do ano anterior. O material é proveniente de fica VHS e está com má qualidade, mas vale o registro.


quarta-feira, 24 de janeiro de 2018

Confusão societária provoca falência do Diário de S. Paulo

Uma decisão do juiz Marcelo Barbosa Sacramone, da 2ª Vara de Falências de São Paulo, provocou a suspensão das atividades do jornal Diário de S. Paulo a partir de hoje. A sede do impresso foi lacrada pela justiça temporariamente por cinco dias até que seja nomeado um gestor para o jornal pelo administrador judicial.

De acordo com reportagem do Comunique-se, "o caso se trata de uma confusão societária envolvendo o impresso e as marcas Editora Fontana, Editora Minuano e Cereja Serviços de Mídia. (...) a Editoria Minuano – empresa processada – tem 99,99% do seu capital social detido por Nilson Luiz Festa e 0,01% por Editora Fontana que, por sua vez, tem a titularidade de suas quotas detidas em 88,05% pela Cereja Serviços de Mídia, 11,91% pela Minuano e 0,04% por Nilson. A Cereja tem suas quotas detidas em 92,5% pela Minuano e 9% por Luiz Cezar Garcia. O Diário de S. Paulo tem suas cotas detidas pela Minuano e por Luiz Cesar Garcia. O processo mostra que existe grande confusão societária, gerencial e laboral entre as empresas."

O Diário vai tentar retomar as atividades também via judicial.

segunda-feira, 27 de novembro de 2017

Revista Veja distorceu entrevista, afirma advogado paranaense que atua na Lava Jato

Bretas contesta Veja! (F: Divulgação)
A edição desta semana da Revista Veja tem como matéria de capa uma entrevista com o advogado paranaense Adriano Bretas, que atua na área criminalista e na defesa de clientes envolvidos na Operação Lava Jato.

De acordo com o advogado, o conteúdo publicado foi totalmente diferente ao enfoque proposto pela revista para a entrevista, além de conter inverdades. Também considerou ofensivas as imagens publicadas na matéria, de fotos tiradas em um momento de descontração, após conceder a entrevista.

Por discordar do conteúdo publicado, Adriano Bretas divulgou nota de esclarecimento.

"NOTA PÚBLICA

Sobre a matéria de capa da Revista VEJA desta semana, venho a público esclarecer:

1. Efetivamente fui entrevistado, mas o enfoque original da matéria era diametralmente oposto ao que foi publicado. Tratava-se de uma reportagem sobre as trajetórias profissionais e históricos de vida de advogados atuantes na operação Lava Jato. Infelizmente, este enfoque não foi o publicado.

2. Jamais adentrei em temas que envolvem sigilo profissional, como a questão de honorários. Com relação ao meu escritório, posso afirmar que os valores lá mencionados se afastam totalmente da realidade; são especulativos e superestimados.

3. Aceitei tirar algumas fotos para a Revista. Depois de algumas fotografias, na biblioteca do escritório, acendi um charuto, como faço habitualmente, no final do expediente. Nesse contexto, o fotógrafo captou, num momento de descontração, algumas imagens que, infelizmente, acabaram por ilustrar a matéria.

4. Lamento o enfoque materialista da reportagem que, além de desprezar todos os atributos técnicos que possuem os advogados, faz parecer falsamente à sociedade que esses profissionais têm boa vida e se enriquecem com o dinheiro do crime. Lamento ainda que minha foto e meu nome tenham sido utilizados com esse intento. Esse discurso maldoso é cada vez mais repetido por aqueles que fingem não entender a difícil e indispensável missão de defender alguém com zelo, responsabilidade e ética.

5. Esclareço, finalmente, que, entre outras incongruências contidas na matéria, meu escritório não é “gigante”, não sou rico, nem filho único.

Curitiba, 24 de novembro de 2017.

Adriano Bretas"

(*) Da assessoria

segunda-feira, 13 de novembro de 2017

6º Prêmio República: inscrições abertas para projetos de membros do MPF, jornalistas, advocacia e responsabilidade social

Estão abertas inscrições para a sexta edição do Prêmio República de Valorização do MPF.  O registro das iniciativas pode ser feito entre os dias 2 de novembro de 2017 e 2 de fevereiro de 2018.

Criado em 2012, o Prêmio República é uma iniciativa promovida pela Associação Nacional dos Procuradores da República que tem como objetivo identificar, reconhecer e homenagear a atuação dos membros do MPF, além de estimular parcerias entre os entes que se dedicam à promoção da Justiça e à defesa do Estado Democrático de Direito com projetos de responsabilidade social e também reportagens jornalísticas. Nos últimos cinco anos, foram distribuídos 85 troféus entre os mais de 300 inscritos.

Em 2018, a premiação inova e acrescenta uma nova categoria – Advocacia de Direitos Coletivos – que receberá trabalhos de advogados e de escritórios de advocacia que comungam do mesmo ideal do MPF na luta pelos direitos humanos, cidadania e no combate à improbidade administrativa. Outra novidade da sexta edição é a publicação de um livro com artigos sobre as iniciativas vencedoras.

Para participar, basta acessar a página: www.anpr.org.br/premiorepublica, criar login e senha, preencher a ficha de inscrição eletrônica e anexar o artigo ou matéria, respeitando o formato pedido. Cada participante poderá inscrever até três trabalhos.

Da assessoria

quinta-feira, 9 de novembro de 2017

Marcelo Nova lança livro em Curitiba

O músico e compositor Marcelo Nova lança seu  livro ‘Marcelo Nova: O Galope do Tempo’  na próxima terça-feira, 14, no Shopping Crystal, em Curitiba.

Em formato de entrevista, o livro é conduzido pelo jornalista André Barcinski e traz histórias da infância e da adolescência de Marcelo, sua relação curta – porém intensa – com as drogas, o início da carreira, a parceria com Raul Seixas, o processo de composição entre outros assuntos.

O evento será na Livraria Saraiva, a partir das 19 horas.


quarta-feira, 20 de setembro de 2017

quinta-feira, 31 de agosto de 2017

Agência lança APP com banco de dados de jornalistas de todo o país

O Grupo IMC - Inteligência Múltipla de Comunicação lançou um aplicativo para smartphones que deve facilitar a vida de assessores de imprensa. O I'M Press permite fazer consultas ao banco de dados de jornalistas do aplicativo para obter e-mails e telefones dos jornalistas.

De acordo com a agência, especializada em mailing de imprensa e distribuição de releases, "quem ainda não é cliente do I'M Press pode fazer uma consulta por dia, mas quem é cliente usa de forma ilimitada".

Assista ao vídeo da campanha:

 

O lançamento dessa funcionalidade em aplicativo faz parte de um pacote de inovações que o I'M Press planejou para as agências de RP que usam a ferramenta, afirma a agência. "Muito em breve todo o sistema estará disponível no celular. Diagramação de releases, seleção de mailing, distribuição de comunicados, o famoso press-release. Começamos pelo Consultar Profissional (nome dado para a funcionalidade dentro do sistema que roda no computador via web) pois ela era imperativa para ajudar os assessores de imprensa quando estavam em cobertura de evento ou coletiva de imprensa", explica Flávio Morsoletto, diretor de tecnologia e desenvolvedor do aplicativo.

Quem deseja usar o aplicativo, basta fazer download nas lojas virtuais e seguir com um registro básico de login e senha. O nome oficial do app é I'M Press Mobile.

Para Fernanda Lara, diretora de operações do I'M Press, o aplicativo já se mostrou um sucesso. "Tive a oportunidade de estar lado a lado com alguns clientes quando eles baixaram o app e vibramos juntos pois essa inovação realmente foi um adianto na vida deles."

Além disso ela revela: "Estamos esperando a evolução do app dentro das agências para soltar a outra metade desse serviço que seria o 'mini-google' para os jornalistas de redação encontrarem rapidamente os contatos dos assessores de imprensa. Ainda temos grandes expectativas para 2017".

(*) Com informações da Assessoria